minhas frases

AO NAVEGAR NO BLOG e quiser retornar ao início, clique no menu: "início"



Alguns artigos publicados foram pré-agendados (datas de publicação programadas) usando o aplicativo disponível no próprio Blogger, então, posso não estar online no instante da postagem.


Agradeço a sua visita. Se inscreva para eu te conhecer... bjuss...Mii

VISITANTES APÓS MARÇO- 2011

ASSISTA ALGUNS VÍDEOS QUE ESCOLHI.

Loading...

terça-feira

Poesia de Milena Medeiros- ABRAÇA-ME

ABRAÇA-ME



ABRAÇA-ME
COMO SE NUNCA TIVESSE ME VISTO
EMBORA NÃO TENHA ME VISTO REALMENTE.


ABRAÇA-ME SUAVE
E DEPOIS APERTA-ME COM FORÇA
COMO SE EU FOSSE DESAPARECER


ABRAÇA-ME
E DEIXA-ME FORA DE MEUS MEDOS
DE MEUS MISTÉRIOS E CREDOS


ABRAÇA-ME
COMO SE SOUBESSE
QUE O AMANHÃ NUNCA VIRÁ


ABRAÇA-ME
ASSIM
COMO SE EU FOSSE TÃO IMPORTANTE A TI...


(milena medeiros-11/10/2011)

Publicado por Milena Medeiros em 11/10/2011- RECANTO DAS LETRAS- Código do texto: T3270766

Recomendo - Soneto de Jadir F Macedo - DOCE SAUDADE

DOCE SAUDADE

DOCE VIAGEM EM MINHA LEMBRANÇA
ACORDAR CEDO E PEGAR O BORNAL
CHEGAR A FAZENDA DE INFÂNCIA
CHEIRO DE TERRA E DE CURRAL

NA AURORA PÁSSAROS REVOANDO
RELVAS E FLORES EM CAMPO VASTO
FOGÃO A LENHA, CAFÉ TORRANDO
GADOS E CARNEIROS SOLTOS NO PASTO

SABOREAR FRUTOS NO POMAR
EM RIACHO CRISTALINO NADAR
VOLTAR PRA CASA AO ENTARDECER

AH! TRISTE RETORNO A REALIDADE
QUASE MORRO DE TANTA SAUDADE
DE TEMPOS QUE NÃO VOU ESQUECER.



(Jadir F Macedo)


IMAGEM EXTRAÍDO DO BLOG DE PERENATOGONÇALVES.BLOGSPOT


Um pouco de Jadir F Macedo por ele mesmo:


"Sou do interior de Minas, Abaeté, resido em Belo Horizonte. 
Sou muito introspectivo, amo psicologia e filosofia. 
Gosto muito do tema saudade e dor da alma."


---


Escolhi esse soneto, entre tantos poemas deste poeta por que eu me vi passeando pelos recantos de um lugar, talvez sítio,  fazenda, ou mesmo a casa da vovó...
Conforme ía lendo, eu também passeava e reconhecia cada lugar citado. Foi e é muito prazeiroso ler este texto e recomendo a leitura, não só deste mas de outros que lá estão: - no Recanto das Letras.
link:Jadir F. Macedo - Recanto das Letras
link para o poema no site do autor -DOCE SAUDADE



domingo

Milena Medeiros em Conto de Terror : O BICHO DA MEIA NOITE

O BICHO DA MEIA NOITE



ERA NOITE. MUITO TARDE DA NOITE...
A CIDADE PEQUENA TINHA HORÁRIO PARA DORMIR. 


LÁ, AS DEZ DA NOITE, JÁ SE ÍA DEITAR-SE. PORQUE TODA A CIDADE FICAVA  ÀS ESCURAS COM O APAGAR DAS LUZES, COM O DESLIGAR DA ELETRICIDADE. TUDO VIRAVA SILÊNCIO... NA MADRUGADA, SEM LUZ... MAS, BEBÊS E MÃES, NÃO PODEM FICAR A MERCÊ DESSE SALUTAR DEITAR E DORMIR. BEBÊS TÊM FOME À NOITE E MAMÃES TEM QUE SUPRIR ESSAS NECESSIDADES.


FOI NUMA NOITE ASSIM, ESCURA E VAZIA QUE O NENÊ PEDIU O AMAMENTAR...
DONA GROJA, ESSE É SEU APELIDO DE INFÂNCIA, TATEOU NA ESCURIDÃO ATÉ LOCALIZAR SEU BEBÊ QUE CHORAVA AO BERÇO.


COM A CRIANÇA AO COLO, AINDA NO PLENO ESCURO, SE LOCALIZA NA COZINHA E, PERDIDA NA ESCURIDÃO, TENTA CONSEGUIR APANHAR A CAIXA DE FÓSFOROS. 


PROCURA E PROCURA. NADA ACHA...


COMO PRECISA DO FÓSFORO PARA ACENDER O FOGO E FAZER A MAMADEIRA DA CRIANÇA NÃO SE INTIMIDA E ABRE A PORTA DA COZINHA E SAI LÁ FORA, NA NOITE VAZIA E ESCURA. 


TALVEZ O TEMOR, TALVEZ A AGRURA, TALVEZ O CANSAÇO, ELA SAI PELA BEIRADA DA CASA SOLTANDO UMA FRASE INOPORTUNA:


         -- "SERÁ QUE O DEMONIO CARREGOU?".


ALI, PERTO DA CERCA, ÍA CHAMAR SUA IRMÃ, QUE MORA NA CASA AO LADO, PARA QUE ESTA LHE ARRANJASSE O FÓSFORO. 
NO ENTANTO, COMO UMA MÚSICA, AO LONGE ELA ESCUTOU AQUELE CONHECIDO SOM QUE SE FAZ AO TAMBORILAR NA CAIXA DE FÓSFORO, COMO OS SAMBISTAS, PAGODEIROS O FAZEM ATÉ HOJE.


ELA APRUMOU-SE TODA E COLOCOU-SE A OUVIR. O SOM FICOU MAIS NÍTIDO. PARECEU-LHE QUE VINHA DALI MESMO. PENSOU SER O ESPOSO A BRINCAR COM ELA. MAS NÃO O VIU.


A MÚSICA CONTINUAVA. E ELA REPAROU QUE VINHA DE CIMA DO TELHADO. ISSO A DEIXOU ARREPIADA DE MEDO AO MESMO TEMPO QUE VIA A LUZ DA LUA FICAR MAIS FORTE. ILUMINAVA TUDO. E VIU NO CHÃO DE TERRA BATIDA UM VULTO QUE SE FORMAVA ANTE A LUMINOSIDADE DO RAIO DE LUAR.


O VULTO PARECIA CRESCER EM TAMANHO E DE REPENTE, PULOU LÁ DO ALTO DO TELHADO À FRENTE DELA. PARECIA-LHE UM GORILA GRANDE, IMENSO. A MÚSICA CONTINUAVA A SER TOCADA NA CAIXA DE FÓSFORO. O SOM VINHA LÁ DO ALTO DO
TELHADO.


AQUELE BICHO EM MOVIMENTO LENTO E SILENCIOSO POSTOU AS GARRAS PARA A FRENTE E TENTOU TIRAR-LHE A CRIANÇA QUE ORA SE ANINHAVA DE ENCONTRO AO PEITO DA MÃE.


ELA, SE AFASTAVA ANTE ESSE MOVIMENTO. PARECIA-LHE TUDO MUITO LENTO. SUA COORDENAÇÃO MOTORA PARECIA NÃO CONDIZER COM QUE ELA QUERIA. ELA QUERIA CORRER PARA DENTRO DE CASA, SE ESCONDER, FUGIR DALI. MAS SEUS PÉS PARECIAM NÃO LHE ATENDER.


USANDO DE TODAS AS SUAS FORÇAS RESTANTES, EM MARCHA RÉ, FOI ADENTRANDO A COZINHA ATÉ QUE CONSEGUIU PUXAR O TRINCO DA PORTA E FECHÁ-LA COM UM ESFORÇO ENORME, QUE FEZ COM QUE A PORTA SE FECHASSE COM UM GRANDE ESTRONDO. AINDA TEVE QUE FICAR EMPURRANDO A PORTA CONTRA O BATENTE PORQUE VIA A GARRA DAQUELE BICHO ALI, PRESA. 


ELA A VIA TÃO NITIDAMENTE COMO SE O RAIO DE LUAR FIZESSE UM FOCO NAQUELE LUGAR MOSTRANDO-LHE A TERRÍVEL GARRA.


COM SUA CORAGEM, FEZ COM QUE A PORTA POR COMPLETO CERRASSE.


A LUZ SUMIU E A GARRA TAMBÉM.


O BARULHO DA CAIXA DE FÓSFORO TAMBÉM CEDEU.


A CRIANÇA DORMIU. E ELA, AINDA ATÔNITA SE DIRIGIU AO QUARTO ONDE O MARIDO LHE AGUARDAVA UM TANTO ASSUSTADO POR TER ESCUTADO O BARULHO DA PORTA A SE FECHAR.


ESTE LHE PERGUNTOU O QUE HOUVERA E ELA SIMPLESMENTE DISSE:
- NADA, DORME!


DAQUELE DIA EM DIANTE ELA NÃO MAIS TEVE CORAGEM DE EXPRESSAR ALGO COMO AQUELA FRASE QUE DISSE NAQUELA NOITE. NEM CITAR MAIS ESSE NOME QUE AGORA TANTO TEME EM DIZER.


BASTOU-LHE UMA NOITE ESCURA E VAZIA PARA SABER O PREÇO DO SILÊNCIO!





(milena medeiros- histórias de minha mãe e eu- 09/10/2011-02:26h)



publicado no recanto das letras - Enviado por Milena Medeiros em 09/10/2011-Código do texto: T3265913



Recomendo - DFK6498 - Cameron Duncan - ( in portuguese )

Recomendo a música: Não por acaso - Neo Ertsem



NÃO POR ACASO

DE LONGE O VENTO QUE VEM SOPRANDO
RELEMBRA DAS COISAS QUE DEIXEI PRA TRÁS
DE TODOS OS MOMENTOS QUE A VIDA ME DEU
SENTADO COM UM COPO NA MESA DE BAR.


PORQUE VOCÊ NÃO DISSE QUE VIRIA COMIGO
TALVEZ HOJE TIVESSE UM TEMPO PRA NÓS
PORQUE VOCÊ NÃO SEGUE O SEU DESTINO
ME TIRA DESSE MUNDO ONDE OUÇO A SUA VOZ.


PODE SER QUE NÃO SEJA O DESTINO
PODE SER QUE SEJA O ACASO ESTE NÃO É O CASO.
O MESMO VENTO LEVA DE VOLTA MEUS ABRAÇOS
E RELEMBRA NOSSOS MOMENTOS TÃO PERFEITOS


AQUI NESTA MESA EU RELEMBRO TEU OLHAR
ELE PRA MIM É MAIS LINDO QUE O LUAR
VEJO O TEU ROSTO QUE FICOU EM MINHA MENTE
VOCÊ SABE QUE ME AMA SEU CORAÇÃO NÃO MENTE.


PORQUE VOCÊ NÃO DISSE QUE VIRIA COMIGO...

TALVEZ HOJE TIVESSE UM TEMPO PRA NÓS
PORQUE VOCÊ NÃO SEGUE O SEU DESTINO
ME TIRA DESSE MUNDO ONDE OUÇO A SUA VOZ.


EU ACREDITO QUE FICAREMOS BEM
OLHO AS ESTRELAS QUE ME MOSTRAM NOSSOS CAMINHOS
O DESTINO HOJE É INEXPLICÁVEL
EU SEI QUE FICAREMOS JUNTOS


NÃO POR ACASO NÃO... (4x)


PORQUE VOCÊ NÃO DISSE QUE VIRIA COMIGO...

TALVEZ HOJE TIVESSE UM TEMPO PRA NÓS
PORQUE VOCÊ NÃO SEGUE O SEU DESTINO
ME TIRA DESSE MUNDO ONDE OUÇO A SUA VOZ....

LINKS:

RECANTO DAS LETRAS
YOUTUBE

Poema de Neo Ertsem - DRÁCULA //vídeo: MALICE MIZER / Gackt

Quando nasceram noites e dias
Eu fui o primeiro na escuridão
O fui a primeira besta ou criatura
Fui eu que vi o tempo a tempos
Fui que me alimentei de tantos
Era eu que os homens temiam
Eu que era adorado chamado

Deus

Era eu que saia em noites vazias
Sentia no calor do sangue a vida
A vida de todas as idades e fases
Sentia o último pulsar em minha mão
Mas de dez mil anos se passaram
Muitas formas de vida  nasceram
Poucas se criaram, mas eu sobrevivi

Drácula

É como os nefastos e profanos
Como os não iniciados me chamam
Alguns me chamam de anjo
Outros me chamam de demônio
Muitos me chamam de vampiro
Ninguém mais me chama de Deus
Mas não sou humano nem monstro

Fui o primeiro da minha espécie
Fui o primeiro a andar debaixo do sol
A ver a dor, a morte o sofrimento
Mas sempre andando sozinho
Vendo quem amei morrer
E minha amada o sol levou
Junto levou todo meu amor

Agora sou corpo frio solitário
Sou apenas o Drácula
Não sendo nem a sombra do que já fui um dia
Sou apenas mito fantasia e mais nada

Sou ser sem alma...



(Neo Ertsem)


---- ----- ---- ---- ----


BRAULIO G VULCANIS, o jovem que escreve de uma forma simples as coisas que um homem sente. Sem deixar-se inibir por revelar tais sentimentos ou por comentários que poderiam serem feitos. Sempre traz algo que vai de encontro às dores, aos infortúnios, às contradições de amores. Busca insensantemente deixar-se amar e ser amado, fazendo elegias a um amor grandioso que deveras um homem gostaria de sempre ter por perto. 
É estudante de Direito, nascido no Rio Grande do Sul e usa o pseudônimo de NEO ERTSEM no mundo virtual, como ele diz, porque está escrevendo um livro cujo personagem tem esse nome.
Além de escrever coisas que vão em sua jovem alma, ainda percorre os caminhos de escritor, compositor e bloguista.


LINKS:


Seus escritos podem ser encontrados no site: RECANTO DAS LETRAS
Procure pelo nome: NEO ERTSEM


Seu blog (em construção)  é: brauliogv (blogspot)


Canal no Youtube: NEOERTSEM


SOBRE O POEMA:
Este poema eu escolhi entre outros tantos dele por achar interessante o modo como foi escrito. 
O tema pode gerar conflito, porém, deixando de lado a nossa razão e enxergar através do coração, veremos a luta de um ser que ora sentia-se um especial e,  por fim, percebe-se somente ser uma fantasia. O vampiro tanto visto em filmes, livros, etc reescrito de uma maneira sensível...(milena Medeiros-09/10/2011)
-----
destaco esse vídeo para compor o poema acima. Sei que o Neo Ertsem gosta de ouvir esse som.